Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Salvador Correia, Fotografias

Pai, Marido, Fotógrafo

Salvador Correia, Fotografias

Pai, Marido, Fotógrafo

Jantares de Natal, concertos solidários, e outras atividades de apoio aos pobrezinhos

Desculpem-me os visados pelo que vem a seguir, estou certo que quem não se rever no que vou dizer vai concordar certamente comigo, os que se reverem, bom, pensem lá na vossa vida.

Chegou o Natal! Aquela época onde os amiguinhos das associações de caridade finalmente têm a opurtunidade de invadir em bando, os supermercados, as estações dos transportes, as ruas onde vestidos de igual, com as suas camisolas estampadas com palavras de ordem e o espiríto de que estão a ocupar as férias de natal da forma mais produtiva e responsável possível se fazem passar por pessoas que pensam nos outros e não mais do que nelas próprias.

No quase passado mês de Dezembro tive a opurtunidade de fotografar num concerto solidário onde sob o pretexto de proporcionar um encontro que - passo a citar - “aproxima” pessoas sem-abrigo “do resto da sociedade” (acho deliciosa a escolha das palavras com aspas).

Este concerto - passando a citar novamente - é só o motivo para esta troca de experiências, uma espécie de desbloqueador de conversa para o que vem a seguir, que é uma ceia onde todos podem conviver.

Pois bem, de tanto prometer nada entregou, a um observador que vem de fora.

E o que viu este observador que veio de fora? Desde o início vimos uma oportunidade mascarada de caridade de fazer um concerto na igreja dos Clérigos, onde valeu quase tudo, desde "desculpem que eu antecipei o meu jantar para estar aqui a horas e não ter lugar sentada!" - imagine-se dar-se prioridade aos amigos carênciados e quem não teve de todo jantar - até, abrir as portas aos turistas porque bem, afinal o importante era mesmo a visibilidade.

Um encontro de observação de pobrezinhos, perdoem-me a sinceridade.

E no fim houve um jantar, e as pessoas que realmente precisam, pelo menos os que conseguiram combater o constrangimento de serem olhados daquela forma, e conseguiram lá estar.

Salvou-se os bens recolhidos para os grupos que todos os dias pensam nestas pessoas, pensam nestes amigos que precisam de ajuda, precisam que sejamos solidários.

As fotografias são um resumo do que acho que dificilmente seria digno de registo. E a mais interessante é mesmo só esta deste senhor a tentar perceber onde estava.